Alzheimer: uma nova terapia genética reduz a formação de placas amilóides em 44% em camundongos

Atualmente, o desconhecimento dos mecanismos biomoleculares envolvidos nas doenças neurodegenerativas é um grande obstáculo na busca por tratamentos adequados. E enquanto a teoria da “cascata amilóide” como a principal causa da doença de Alzheimer está se tornando cada vez mais controversa, os pesquisadores têm tentado usar a ferramenta CRISPR para retardar a progressão do acúmulo de proteínas nos neurônios. A deleção de um fragmento específico de um gene reduziu a formação da placa amilóide em 44% em camundongos. No entanto, esse resultado permanece relativamente misto, pois ainda não há evidências fortes que apontem para uma redução nos sintomas de demência.

A tecnologia CRISPR forneceu muitas pistas sobre os mecanismos biomoleculares que causam a doença de Alzheimer. Em particular, permitiu identificar genes precursores para a formação de placas amilóides, uma das características da doença. Os pesquisadores, portanto, tentaram anteriormente direcionar esses genes para tratar a doença. Apesar dessas descobertas, nenhum tratamento conseguiu retardar efetivamente a progressão dos sintomas da patologia.

Este seria um obstáculo comum para a maioria das doenças neurodegenerativas. Surpreendentemente, grupos específicos de neurônios são de fato mais suscetíveis à neurodegeneração do que outros, mais resistentes. Os esforços de pesquisa, portanto, concentram-se como esses neurônios estão seletivamente envolvidos na progressão de doenças como a doença de Alzheimer. Potenciais terapias genéticas poderiam potencialmente transmitir a mesma resiliência a todos os neurônios.

No entanto, deve-se ter em mente que a maioria das pesquisas anteriores de edição de genes (para buscar tratamentos para a doença de Alzheimer) se concentrou na remoção de sequências de DNA envolvidas na formação de placas amilóides. No entanto, esta “amputação” drástica pode ter consequências negativas imprevisíveis, dada a utilidade dos genes em questão.

O novo estudo da Universidade da Califórnia, em San Diego (EUA), visa especificamente o gene APP, um precursor da síntese da proteína amiloide nas sinapses. Ao nocautear o gene em camundongos, foram observadas neuroinflamação, comprometimento cognitivo e diminuição do número de neurônios. Para reduzir esses riscos e preservar as funções “úteis” do gene APP, os pesquisadores optaram então por sua modificação parcial, eliminando apenas um pequeno fragmento no nível celular.

Uma redução de 44% nas placas amilóides

Usando a técnica CRISPR, os pesquisadores do novo estudo removeram um fragmento no final do gene APP em quatro camundongos de um mês e meio de idade. Quatro outros camundongos receberam sequências codificadas de CRISPR, o que significa que nenhum gene específico foi alterado ou excluído no nível de suas células cerebrais. Para os testes, todos os camundongos foram geneticamente modificados para desenvolver sintomas e características da doença de Alzheimer por volta dos dois meses de idade.

Quando tinham dois anos e meio, os camundongos foram sacrificados para que seus cérebros fossem examinados como parte de uma autópsia. Os pesquisadores descobriram então que aqueles tratados com o gene APP modificado tinham uma média de 44% menos placas amilóides do que aqueles que não foram tratados. Além disso, os níveis de proteínas indutoras de neuroinflamação foram cerca de 40% menores. E como as características específicas da doença são consideradas mais fortes em camundongos, os pesquisadores acham que os resultados de seu tratamento podem ser maiores em humanos.

Além disso, os resultados seriam os mesmos em camundongos modificados para desenvolver a doença mesmo um ano após receberem o tratamento. Nenhum efeito colateral foi observado, mesmo em camundongos geneticamente modificados antes do nascimento para não possuir o segmento do gene APP envolvido na doença. Pelo contrário, o último mostrou funções cognitivas melhoradas.

Para atravessar a barreira hematoencefálica para administrar o tratamento genético, os pesquisadores usaram um vírus inofensivo chamado vírus adeno-associado (AVV). No entanto, a capacidade do vírus de atravessar a barreira protetora do cérebro ainda não é totalmente eficiente, e os pesquisadores ainda tentarão determinar a quantidade exata que precisa ser introduzida no corpo para que o tratamento seja eficaz. A próxima fase do estudo também investigará se o tratamento pode levar a uma redução dos sintomas de demência. Esta etapa será crítica, pois os tratamentos destinados a reduzir a formação de placas amilóides geralmente não melhoram a cognição em pessoas com doença de Alzheimer.

Novo estudo revela por que os cogumelos alucinógenos podem ser mais eficazes contra a depressão

Nos últimos anos, a psilocibina, o alcaloide alucinógeno dos cogumelos alucinógenos (ou “cogumelos”), gerou um interesse crescente na pesquisa terapêutica para a depressão. Em combinação com a terapia psicológica, o alkoid parece ser pelo menos tão eficaz quanto os antidepressivos convencionais, de acordo com estudos anteriores. No entanto, os mecanismos terapêuticos que determinam esse efeito antidepressivo ainda não estão claros. Um novo estudo do Imperial College London pode ter finalmente decifrado como a psilocibina age nos neurônios de pessoas que sofrem de depressão. Em particular, ao contrário dos antidepressivos convencionais, diz-se que esse psicodélico melhora a conectividade nas áreas do cérebro que causam depressão, tornando-se rígido e “isolado” do resto do cérebro.

Os psilocibos, um grupo de cogumelos contendo psilocibina e psilocina, são conhecidos por seus efeitos alucinógenos. Eles têm sido usados ​​por povos indígenas há milhares de anos por essa propriedade psicodélica, bem como por suas propriedades curativas. Os efeitos são notavelmente semelhantes aos do LSD, que também produz um estado alterado de consciência.

Embora o consumo desses cogumelos seja proibido na maioria dos países do mundo, os cientistas estão explorando cada vez mais as possibilidades de uso na terapia psiquiátrica. Em um indivíduo saudável, os efeitos mentais conhecidos dos psilocybes são um senso alterado de realidade, confusão, mudanças de humor, etc. Mas em pessoas deprimidas, os efeitos podem ser revertidos e a psilocibina pode estimular positivamente as regiões cerebrais responsáveis ​​pelo humor.

Muitos ensaios clínicos foram feitos para testar o alcalóide, mas este novo estudo, descrito em Naturopatia, é o primeiro a descobrir exatamente como a molécula funciona no cérebro. Talvez mais eficaz que o escitalopram (um antidepressivo clássico), a psilocibina pode ajudar a prevenir os efeitos colaterais dessa classe de drogas, incluindo: ganho de peso, baixa libido, insônia crônica, etc. (quando a resposta ao medicamento diminui à medida que o corpo se adapta a ele), daí a necessidade de terapias alternativas e possivelmente mais eficazes.

Conectividade aprimorada

Em pessoas com depressão, há um alto nível de transportadores de serotonina (um neurotransmissor envolvido na regulação do humor). Em particular, esses transportadores mantêm a serotonina longe das células nervosas, o que leva a uma diminuição do nível dessa molécula (observada em pacientes). Os antidepressivos fazem isso bloqueando seletivamente esses transportadores.

No entanto, bloquear esses transportadores não resolve os problemas de rigidez e isolamento de regiões cerebrais necessárias para regular o humor. De acordo com os resultados dos pesquisadores ingleses, a psilocibina “desbloqueia” essas áreas, até várias semanas após a administração. Em particular, os cientistas observaram um aumento na comunicação entre as regiões cerebrais mais isoladas em pacientes deprimidos.

Para testar sua teoria, os pesquisadores analisaram dados de varredura de 60 pessoas com depressão. Especificamente, por meio de um estudo aberto em depressão resistente ao tratamento e outro estudo controlado em depressão generalizada comparando a psilocibina ao escitalopram. Ao mesmo tempo, todos os participantes também receberam apoio psicológico. Cintilografias foram tiradas antes e um dia a três semanas após o tratamento com psilocibina.

Os resultados de ambos os conjuntos de testes revelaram que o grupo que recebeu terapia assistida por psilocibina mostrou uma melhora acentuada na conectividade cerebral. Esse efeito foi relacionado à redução da depressão (redução autorreferida) variando de um dia a três semanas após o tratamento. Essa melhora na conectividade aparentemente não foi observada no grupo tratado com escitalopram. ” O efeito observado com a psilocibina, relacionado à melhora da condição dos pacientes, é consistente em dois estudos e não foi observado com um antidepressivo convencional “, confirma em comunicado Robin Carhart-Harris, principal autor do estudo e ex-diretor do Centro de Pesquisa Psicodélica do Imperial College.

Embora os efeitos sejam diferentes em cada paciente, ambos os testes mostraram uma ligação entre a melhora dos sintomas e o aumento da conectividade em regiões anteriormente “isoladas”. Além disso, essa correlação foi maior em indivíduos que relataram uma melhora em seu humor. Além disso, alterações na atividade cerebral, detectadas um dia após o tratamento, prevêem uma extensão da eficácia em até seis meses, segundo especialistas.

Resultados incompletos

É importante notar que muitos pacientes podem recidivar após o tratamento antidepressivo. Os autores do novo estudo estão, portanto, felizes em apontar que a duração das mudanças na atividade cerebral ainda não está clara. Eles dizem que ainda é possível que o cérebro reproduza os mesmos padrões de isolamento regional da depressão.

Além disso, os cogumelos alucinógenos não podem levar ao vício devido a tolerancia, mas a psilocibina deve ser prescrita com muita cautela. A automedicação não deve ser considerada. Os estudos do Imperial College também foram apoiados por acompanhamento psicológico, durante e após a administração da droga. Além disso, a variabilidade nas respostas ao composto prova que mais pesquisas são necessárias antes que um tratamento viável possa ser alcançado.

Mas ainda podemos ser otimistas, porque os pesquisadores descobriram “um mecanismo fundamental pelo qual a terapia psicodélica funciona não apenas para a depressão, mas também para outras doenças mentais, como anorexia ou abuso de substâncias”, conclui Carhart-Harris.

Fonte : Naturopatia
Como “cogumelos mágicos” podem tratar a depressão

Tome cogumelos para combater a depressão. Notícia ótima, mas verdadeira. Segundo vários pesquisadores, a psilocibina, um poderoso psicodélico presente em certos cogumelos, aliviaria o cérebro de pessoas que sofrem de depressão.

Na França, quase uma em cada cinco pessoas já teve ou sofrerá de depressão durante a vida. Ruminação, dificuldade de concentração, retardo psicomotor… As consequências psicológicas são inúmeras. Para reduzir esses efeitos indesejados, vários tratamentos podem ser prescritos e, recentemente, o uso de “cogumelos mágicos” foi seriamente considerado. A pesquisa, realizada por pesquisadores britânicos e americanos, foi publicada na revista científica Naturopatia.

Psilocibina, um poderoso psicodélico

A psilocibina é uma droga que altera a mente encontrada em certos cogumelos. Essa substância alucinógena, cujos efeitos são semelhantes aos de certas drogas, altera a percepção de quem a utiliza e pode causar distúrbios visuais e auditivos.

No entanto, cientistas da UC San Francisco e do Imperial College London descobriram recentemente um novo efeito desse composto. De acordo com o trabalho deles, a psilocibina pode tratar sintomas de depressão rapidamente e ao longo do tempo.

Os resultados, de dois estudos e baseados em varreduras cerebrais de 60 pessoas, mostraram que esse alucinógeno reduziu as conexões em áreas do cérebro ligadas à depressão e aumentou as conexões com outras áreas do cérebro.

Uma “libertação” do cérebro

Esses testes iniciais são muito encorajadores, pois confirmam os efeitos positivos da psilocibina no cérebro.

Em termos concretos, isso reduziria os sintomas depressivos indesejados (preocupação excessiva, pensamentos fixos e obsessivos, etc.) e permitiria que as diferentes áreas do cérebro se comunicassem melhor, mesmo após o tratamento.

Em estudos anteriores, vimos um efeito semelhante no cérebro quando as pessoas que foram escaneadas tomaram um psicodélico, mas aqui vemos isso semanas após o tratamento para depressão, sugerindo um atraso na ação aguda da droga.disse Robin Carhart-Harris, PhD, principal autor do estudo.

Os cientistas também observaram que a mudança na atividade cerebral um dia após o tratamento parece ser um bom “previsor” para determinar se um paciente ainda apresenta melhora após seis meses.

No entanto, os pesquisadores querem permanecer cautelosos sobre o efeito de ‘longo prazo’ do tratamento. “Ainda não sabemos quanto tempo duram as mudanças na atividade cerebral observadas com esta terapia e precisamos fazer mais pesquisas sobre isso. Sabemos que algumas pessoas recaem, e pode ser que depois de um tempo seus cérebros voltem aos rígidos padrões de atividade que vemos na depressão”.adverte o professor Carhart-Harris.

A psilocibina pode tratar outras doenças mentais

Outro benefício desse “cogumelo mágico”, segundo os pesquisadores: a psilocibina pode curar em breve outros transtornos mentais.

Descobrimos um mecanismo fundamental que mostra que a terapia psicodélica funciona não apenas para a depressão, mas também para outras doenças mentais, como anorexia ou vício. Agora temos que testar se é esse o caso e, se for, encontramos algo essencial.”diz o professor Carhart-Harris.

Claro, pacientes com depressão nunca devem tomar psilocibina sozinha. Estes resultados vêm de estudos controlados.

Depressão maior: uma dose única de psilocibina eficaz em pacientes resistentes ao tratamento

Os resultados de um estudo envolvendo mais de 230 pacientes de 10 países com depressão maior confirmam o interesse em psilocibina comprar, molécula presente nos cogumelos alucinógenos, como tratamento para a depressão maior.

A depressão ocupa o primeiro lugar entre os transtornos psiquiátricos e, embora os médicos tenham uma variedade de antidepressivos disponíveis, eles nem sempre têm o efeito desejado em pacientes que sofrem de um transtorno depressivo maior. E seus efeitos são frequentemente temperado por uma série de efeitos colaterais. Os cientistas também estão interessados ​​há algum tempo a certas moléculas psicodélicas, como a psilocibina (uma molécula presente em cogumelos alucinógenos) e a dietilamida do ácido lisérgico (mais comumente conhecida como LSD).

Sobre o mesmo assunto

Pesquisadores do King’s College London acabam de publicar os resultados do maior estudo realizado sobre a psilocibina (molécula presente em cogumelos alucinógenos) como tratamento para depressão maior. No total, 233 pacientes de 10 países participaram deste estudo. Eles foram divididos em 3 grupos e receberam uma dose única de 1mg, 10mg ou 25mg, enquanto seguia apoio psicológico para iidentificar as causas e possíveis soluções para sua depressão. Os resultados, publicados no New England Journal of Medicine, mostram que pQuase um terço dos pacientes com depressão maior entrou em remissão rápida após uma dose única de 25 mg de psilocibina. Entre os efeitos colaterais encontrados em 77% dos pacientes, os médicos observaram: dor de cabeça, náuseas e tonturas.

Pacientes ainda em remissão um ano após o tratamento

A psilocibina não parece produzir sozinha efeitos significativos e imediatos na depressão mas os efeitos persistem ao longo do tempo, conforme destacado por outro estudo realizado sobre esse tratamento experimental em fevereiro de 2022. “Isso sugere que a psilocibina pode ser um novo tratamento particularmente útil para a depressão”, sublinha o Prof. Roland Griffiths, pesquisador da Escola de Medicina da universidade Johns Hopkins de Baltimore (Estados Unidos), que realizou este estudo com pacientes que sofrem de depressão maior.

Estes tem 18 mulheres e 5 homens duas doses de psilocibina, com duas semanas de intervalo, e combinadas com terapia de conversa de apoio. Um ano após o tratamentotrês quartos dos participantes do estudo responderam aos antidepressivos e mais da metade estava em remissão da depressão.

“Em comparação com os antidepressivos convencionais, que precisam ser tomados por longos períodos de tempo, a psilocibina tem o potencial de proporcionar alívio a longo prazo dos sintomas da depressão com uma ou duas doses de tratamento”, entusiasma-se o médico. No entanto, este último lembra que este é um tratamento experimental, administrado sob a supervisão de terapeutas treinados, e que você não deve experimentar cogumelos mágicos para tratar a depressão sem um auxilio médico.

Um tratamento que complementa as terapias cognitivas

Em janeiro passado, um estudo do Instituto de Psicologia mostrou do King’s College London (Grã-Bretanha) mostraram que a psilocibina tinha um potencial terapêutico significativo, particularmente no tratamento da depressão maior. E que pode ser administrado a pacientes simultaneamente com a terapia cognitiva, sem comprometer o bom andamento dessa terapia.

Os pesquisadores, que conduziram seu estudo em um pequeno grupo de 60 pacientes que sofriam de depressão resistente ao tratamento, mas que estavam passando por psicoterapia, havia determinado que a psilocibina pode ser administrada com segurança em doses de 10 mg ou 25 mg para acompanhar a terapia.

Para este estudo, foram recrutados 89 participantes saudáveis ​​que não faziam uso recente (menos de um ano) de cogumelos alucinógenos. 60 foram selecionados aleatoriamente para receber uma dose de 10 mg ou 25 mg de psilocibina em um ambiente controlado. Além disso, todos os participantes receberam orientação individual de psicoterapeutas qualificados. Os 29 participantes restantes serviram como grupo de controle e receberam um placebo.

Todos foram monitorados de perto por 8 horas após a administração da psilocibina, seguidos por 12 semanas e nenhum apresentou efeitos adversos. Mostrar os resultados o tratamento antidepressivo com psilocibina não tem efeitos adversos de curto ou longo prazo no funcionamento cognitivo.

>> Uma molécula que também reduz a ansiedade. Outros estudos anteriores já haviam mostrado que essa molécula é importante na redução da ansiedade em pessoas em situação de exclusão social e que também é eficaz no tratamento do estresse pós-traumático. Segundo os pesquisadores, a psilocibina teria como alvo certos receptores no cérebro (receptores serotoninérgicos) que desempenham um papel na regulação do humor e da ansiedade, entre outras coisas.

Psilocibina: que efeito sobre a depressão

A psilocibina, um composto encontrado em cogumelos mágicos, pode afetar os sintomas da depressão. Estudos têm mostrado resultados encorajadores.

De que efeito estamos falando?

Psilocibina e depressão

Os tratamentos para a depressão são muitas vezes ineficazes

Segundo o Instituto Nacional de Saúde e Pesquisa Médica (Inser), os tratamentos para depressão são eficazes em 70% dos casos. No entanto, se a saúde de alguns melhorar no início, muitos terão uma recaída.

Um grande problema de saúde pública, a depressão afeta milhões de pessoas em todo o mundo. Algumas pessoas às vezes resistem ao tratamento com antidepressivos e psicoterapia.

Quer se trate de uma depressão moderada ou grave e quando persiste, a depressão pode ter um grande impacto na vida pessoal e profissional.

A psilocibina é uma cura eficaz para a depressão?

Nos últimos anos, mais e mais estudos tentaram substituir os antidepressivos comumente administrados pela psilocibina. A psilocibina é uma substância encontrada em cogumelos mágicos. Se os mecanismos ainda são mal compreendidos, acredita-se que a psilocibina aumente a eficácia da psicoterapia e contribua para o alívio dos sintomas ao longo do tempo.

Psilocibina e depressão: estudos encorajadores

o primeiro estudo

Os pesquisadores começaram a estudar a psilocibina já na década de 1950. O químico suíço Albert Hofmann começou a estudá-la a partir do Psilocybe mexicana, um famoso cogumelo alucinógeno usado em rituais no México. Algumas horas após a ingestão, a psilocibina causa alucinações visuais e auditivas e fortes alterações na consciência. Desde então, muitos estudos foram realizados que já demonstraram a capacidade desse composto alucinógeno, presente nos “cogumelos mágicos”, de reduzir a ansiedade e os sintomas depressivos.

Outros estudos

Em 2008, cientistas americanos provaram que a psilocibina tem efeitos duradouros no bem-estar mental e na serenidade. Eles pensaram que o alucinógeno poderia ajudar alguns pacientes a aliviar os medos sobre o câncer. Por exemplo, pesquisadores do NYU Langone Medical Center (Nova York) demonstraram em 2016 que uma única dose de psilocibina, combinada com psicoterapia, aliviaria significativamente a ansiedade e a depressão em pacientes com câncer. Assim, os efeitos ansiolíticos e antidepressivos dessa dose única persistem por mais de 5 anos. A psilocibina pode, portanto, ser eficaz no tratamento de muitos pacientes, incluindo aqueles que sofrem de depressão maior, pois seria muito mais eficaz do que os tratamentos atualmente disponíveis. O especialista acrescenta que não haveria, ao contrário da maioria dos tratamentos atuais para depressão, que têm efeitos colaterais indesejados. O mesmo vale para a demora antes dos primeiros resultados serem obtidos.

Posteriormente, pesquisadores britânicos testaram a psilocibina em 12 pessoas que sofriam de depressão moderada a grave por uma média de mais de 15 anos. Após apenas dois dias de tratamento, as 12 pessoas foram observadas por três meses. Os efeitos psicodélicos da psilocibina tornaram-se aparentes entre 30 e 60 minutos após a ingestão das cápsulas. Uma semana depois todos apresentaram melhora e 8 não apresentaram mais sintomas, 3 meses depois outros 5.

Em 2021, um estudo publicado no New England Journal of Medicine poderia finalmente fornecer um novo tratamento para pessoas com transtornos depressivos graves. Os resultados mostram que duas doses podem ser tão eficazes quanto o antidepressivo mais comumente prescrito, mas desde que os pacientes façam psicoterapia ao mesmo tempo.

O estudo durou seis semanas e incluiu dois grupos de pessoas com transtorno depressivo. O primeiro grupo de 30 pessoas recebeu doses bastante fortes de psilocibina duas vezes com três semanas de intervalo, e os participantes tomaram placebos entre as doses. No segundo grupo, as 29 pessoas também tomaram duas doses de psilocibina com três semanas de intervalo, mas com peso muito baixo e tomaram antidepressivos no restante do tempo.

No dia seguinte à ingestão da psilocibina, foi organizada uma sessão de terapia psicológica para todos. A gravidade dos sintomas depressivos diminuiu em ambos os grupos. Mas a diferença entre os grupos está principalmente no nível dos sintomas. 57% dos participantes que receberam uma dose alta de psilocibina viram seus sintomas desaparecerem completamente após seis semanas, em comparação com apenas 28% no outro grupo.

Psilocibina e depressão: cuidado para não tirar conclusões precipitadas

Embora esses estudos sejam recebidos com suspeita e preocupação por alguns cientistas, o estudo dos psicodélicos pode abrir caminho para tratamentos inovadores para melhorar o humor e a mente.

Mais ensaios clínicos e trabalhos serão necessários antes que a psilocibina possa ser comercializada e usada como medicamento para depressão.

Os 7 benefícios mais importantes para a saúde de cogumelos mágicos

Tem se tornado comum a procura por kit cultivo cogumelos psilocybe cubensis devido estudos recentes sobre uma substância contida nesse tipo de cogumelo chamada “psilocibina”. Este é apenas um dos vários popularmente conhecidos como “cogumelo mágico”. Existem quase 200 tipos de cogumelos com propriedades psiquiátricas, também conhecidos como “cogumelos mágicos”. Mas você sabe quais são os benefícios dos cogumelos mágicos?

Estes cogumelos são usados ​​cerimonialmente há milênios em várias partes do mundo, mas só recentemente o resto do mundo descobriu os seus efeitos curativos, tanto médicos como psicológicos e emocionais. No Brasil os cogumelos mágicos são legais.

Ou, dito de outra forma, há mais estudos a cada ano que mostram que os cogumelos contendo psilocibina não são tão prejudiciais quanto o governo acredita.

Enfim, aqui estão alguns dos mais importantes benefícios à saúde que os cogumelos psilocibinos podem oferecer:

Benefícios de cogumelos mágicos contendo psilocibina para a saúde

  1. Promove o Desenvolvimento de novas Células Cerebrais
  2. Reduz a Dor Devido a Rejeição Social é outro Benefício dos Mágicos
  3. TOC Alivia os Sintomas
  4. Suaviza e Ansiedade
  5. Aliviar a Depressão
  6. Benefícios Médicos e Espirituais de Longo Prazo
  7. Um dos Benefícios dos Cogumelos Mágicos é a Capacidade de conectar o Cérebro de novas formas.
O que é a Ayahuasca
ayahuasca

A ayahuasca é um medicamento à base de plantas que tem sido usada pelos povos indígenas da Amazônia para fins curativos e espirituais. O remédio é feito a partir da casca do cipó Ayahuasca e das folhas da planta Psychotria viridis, e é tradicionalmente preparado em forma de chá.

A ayahuasca é conhecida por suas propriedades poderosas e espirituais. Diz-se que fornece insight, clareza e cura nos níveis físico, emocional e espiritual. O remédio é frequentemente usado em cerimônias, e acredita-se que ajude as pessoas a se conectarem com seus eus superiores, o mundo espiritual e a Terra, mas já é facilmente encontrada para comprar online devido a sua legalidade no Brasil.

A ayahuasca é um remédio poderoso que tem o potencial de ajudar as pessoas a se curarem em muitos níveis. Se você é chamado para trabalhar com Ayahuasca, é importante fazer sua pesquisa e escolher um xamã ou facilitador de renome. Lembre-se de que este medicamento deve ser respeitado e deve ser tomado apenas em um ambiente seguro e de apoio.

Não é uma religião

ayahuasca e depressão

Muitas pessoas associam o uso da ayahuasca com o Santo Daime. O Santo Daime é uma religião brasileira que combina elementos do catolicismo e do xamanismo africano. Os adeptos do Santo Daime acreditam na reencarnação e na comunicação com os espíritos, e usam em seus rituais da planta psicodélica chamada ayahuasca. A ayahuasca é uma poderosa droga alucinógena que tem sido usada por povos indígenas na Amazônia há séculos.

O Santo Daime foi fundado na década de 1930 por um homem chamado Raimundo Irineu Serra, que afirmava ter recebido visões da Virgem Maria sob a influência da ayahuasca. Hoje, Santoime tem um número crescente de seguidores no Brasil e no exterior, e seu uso da ayahuasca despertou um interesse renovado no poderoso potencial das drogas psicodélicas.

Ayahuasca e Depressão

A ayahuasca é uma planta medicinal poderosa para a cura. A planta contém DMT, uma substância que se mostrou eficaz no tratamento da depressão. Nos últimos anos, a ayahuasca tornou-se cada vez mais popular no Ocidente como forma de tratar problemas de saúde mental. Vários estudos clínicos mostraram que a ayahuasca pode ser um tratamento eficaz para a depressão, e a planta agora está sendo usada em clínicas em todo o mundo.

A ayahuasca geralmente é tomada na forma de chá, e a experiência pode durar várias horas. Durante esse período, as pessoas geralmente experimentam poderosas alucinações visuais e auditivas. A planta também induz um profundo senso de introspecção e introspecção. Muitas pessoas relatam sentir uma profunda conexão com a planta durante a experiência.

Há um crescente corpo de evidências que sugerem que a ayahuasca pode ser um tratamento eficaz para a depressão. Se você está lutando contra a depressão, pode valer a pena considerar a ayahuasca como uma opção de tratamento

A ayahuasca é um poderoso remédio de plantas psicodélicas da floresta amazônica no entanto, é importante notar que há pesquisas científicas limitadas sobre a ayahuasca, e pode ser uma substância muito poderosa. Portanto, é importante abordar a ayahuasca com cautela e ter certeza de um xamã, profissional ou curandeiro respeitável.

Estados Alterados de Consciência

Possibilidades Psicológicas

Apesar de muitas pessoas associarem a experiência psicodélica ao uso de substâncias psicoativas, a experiência psicodélica é uma forma única de experimentar e se relacionar com o mundo que independe do uso de substâncias psicoativas. Ela se interessa pela expansão da consciência e tem relação direta com alguns estados alterados de consciência obtidos por meio da meditação, da Kundalini yoga e do uso de substâncias psicoativas como LSD, maconha, DMT, ayahuasca e os chamados cogumelos mágicos, confira uma opção legal para cogumelos alucinógenos comprar online.

A mudança de consciência relatada durante essas experiências é comumente associada à dilatação temporal, ilusões e/ou alucinações sensoriais, prazeres corporais, ampliação da consciência, elevação e/ou contato espiritual, dissolução do ego e sentimentos de pertencimento. Como resultado, os usuários que tiveram uma experiência psicoterapêutica tendem a considerá-la como um dos eventos mais significativos de suas vidas, pois são capazes de recordar o que viram, sentiram e perceberam, em contraste com o mundo alterado dos sonhos, dos quais muitas vezes só nos lembramos de fragmentos.

Estados de Alteração da Consciência

Para entender melhor essa experiência, devemos retornar ao conceito de estados alterados de consciência. A literatura nos dirá que existe uma maneira normal ou típica para a consciência humana funcionar, e que isso envolve sentimentos e percepções autópsias (percepção de si mesmo), percepções autópsias (percepção do ambiente) e tempo mais ou menos conhecido e previsível períodos.

Esta função normal está associada à vigilância e à saúde mental, enquanto as alterações estão associadas ao sono e fadiga, sonhos e mundos internos, sintomas positivos (delírios e alucinações) como os encontrados em algumas doenças mentais, medicamentos (psiquiátricos ou não), prática de meditação, físico exercício físico e o uso de substâncias psicoativas, que podem ser classificadas em três categorias: estimulantes, depressoras e psicoativas.

Os Hippies da Cultura Psicodélica

A década de 1960 foi o cenário para os primeiros passos e aceleração de uma marcha hippie e psicodélica antes de ser, mais uma vez, freada ou dissipada. Em termos de estereótipos visuais, o mundo ainda era branco e preto em 1964, e os Beatles estavam vestidos de terninho. As primeiras cores, distorções e novas possibilidades aparecem em 1965. É importante lembrar que a grande cultura psicodélica internacional durou aproximadamente de 1965 a 1969, culminando no festival de Woodstock e demonstrando ao mundo que tal proposta era viável, plausível e havia sido testada por um grupo diversificado de pessoas que se divertiam, se amavam e aquiesceram quando aconteciam as adversidades do festival. Durante esses anos, os músicos começaram a usar instrumentos não convencionais e novas técnicas de mixagem na tentativa de exteriorizar a música que refletia o que eles e sua geração estavam experimentando, descobrindo e tentando comunicar. Além das letras, é hora de descrever os sentimentos, visões e experiências deliciosas da jornada lírica.

Enquanto jovens americanos eram chamados para servir de bucha de canhão no Vietnã, alguns voltaram e outros se rebelaram. Essa foi a força motriz da resistência à contracultura e resultou na proposta da flor, que derrotou o ganho. Durante o Summer of Love de 1967, com a atenção voltada para Janis Joplin, Jimi Hendrix, Country Joe & The Fish, Jefferson Airplane, The Doors, Cream, The Byrds e Beatles, uma onda psicodélica atingiu o Brasil, afetando Os Mutantes e estabelecendo se com o nosso maravilhoso tropicalismo e regionalismo, representados por artistas como Caetano Veloso, Gilberto Gil , Gal Costa, Tom Zé, Alceu Valença. E, enquanto tiveram o Monterey Pop Festival em 1967 e Woodstock em 1969, o Brasil teve o Festival de Música Popular Brasileira, que trouxe ao palco Gilberto Gil e Os Mutantes para interpretar a melhor música que não ganhou naquele festival, “Domingo no Parque”. Além disso, a hip hop brasileiro finalmente se uniu para testemunhar o primeiro Festival das Claras, também conhecido como nosso Woodstock, que aconteceu durante o regime militar de Ernesto Geisel .Sobre este episódio, recomendo assistir ao documentário “O Barato de Iacanga” (2019), que está disponível na Netflix.

Psicodélico e seu Renascimento

Mas e a psicologia? Ah, agora as coisas estão ficando interessantes. Porque estamos vivenciando o que os cientistas chamam de rejuvenescimento psicológico, que envolve a exploração e teste de substâncias psicológicas em seres humanos por meio de protocolos de pesquisa científica. Após anos de proibição e proibição de pesquisa, várias universidades ao redor do mundo agora podem trabalhar com compostos como LSD, Psilocibina, DMT e ayahuasca. Resultados positivos e perspectivas otimistas estão sendo observados nas áreas de saúde mental, psicoterapia e tratamento de transtornos psiquiátricos (como ansiedade, depressão, transtorno de estresse pós-traumático e vícios).

Em geral, esse uso envolve a supervisão de um médico e um terapeuta, que realizarão sessões preliminares de psicoeducação e instrução de substâncias. Como resultado, a substância é usada em um ambiente terapêutico seguro. Após o uso e a experiência, são realizadas sessões para descrever, comunicar e compartilhar a experiência. No entanto, esta não é apenas uma sessão ou algo que as pessoas possam entender como um uso recreativo (embora possa fornecer excelentes insights, perguntas e mudanças comportamentais). No entanto, adere a um protocolo de tratamento e requer monitoramento contínuo. Marcelo Leite apresentou uma maravilhosa compilação de dados internacionais e nacionais em seu livro de 2021 “Psiconautas: Jornadas com a Ciência Psicológica Brasileira”.

Hericium Erinaceus: Aumenta Naturalmente as Habilidades Cognitivas

Este cogumelo oriental pode ajudar na concentração e cognição, ao mesmo tempo que combate a ansiedade e a depressão.

É possível melhorar a concentração e a cognição do cérebro e, ao mesmo tempo, diminuir os níveis de ansiedade e depressão nos indivíduos, tudo de forma natural e sem o uso de medicamentos controlados? A ciência e a sabedoria chinesas demonstram que isso é verdade. Graças a intensas pesquisas sobre um fungo utilizado há milhares de anos nos orientais, hoje podemos conhecer seus inúmeros benefícios para a saúde da mente.

Hericium erinaceus (HE), também conhecido como “cogumelo juba-de-leão” ou “cogumelo cabeça-de-macaco”, tem sido amplamente utilizado como tônico pelos povos da China, Tailândia e outros países asiáticos há séculos por se tratar de um cogumelo comestível. Devido à extensa pesquisa sobre esse fungo, suas propriedades a favor da saúde do cérebro são agora bem conhecidas. Por causa da alta concentração de hericenonas e erinacinas em seu corpo frutífero, consumir HE por quatro semanas seguidas tem um efeito muito satisfatório na redução dos níveis de ansiedade e depressão, atuando no sistema nervoso autônomo.

Sua ação foi também se mostrou eficaz em casos como redução dos sintomas da menopausa, melhora da qualidade do sono e queixas indefinidas. Além disso, o HE tem a capacidade de estimular o fator de neurocrescimento (NGF), aumentando a capacidade neural e favorecendo a cognição e a concentração.

Essa maravilha natural para uma boa saúde e função cerebral está disponível na Fazenda Longevitá. Visite a nossa loja para conhecer este e outros produtos naturais para a sua saúde e bem-estar.

Juba de leão: Ajuda na saúde cerebral

Hericium Erinaceus

O Lions Mane, também conhecido como cogumelo juba de leão, é bastante conhecido pelos seus efeitos nootrópicos. Cresceu o número de pessoas que procuram juba de leão comprar por seus compostos bioativos encontrados em sua composição possuem propriedades neuroprotetoras e melhoram a cognição e a memória.

Da mesma forma , eles apoiam os tratamentos de Parkinson e Alzheimer, bem como centros de tratamento de depressão.

Além de seus benefícios para a função cognitiva, os compostos bioativos do cogumelo apresentam efeito gastroprotetor por inibir a atividade de microrganismos responsáveis ​​por úlceras e lesões gástricas.

Os benefícios do cogumelo da juba do leão, que é um cogumelo medicinal para o cérebro, nervos e sistema imunológico, e recebe o nome do fato de que, à medida que cresce, se assemelha a uma juba de leo em tamanho, cor e textura.

Eles têm usos culinários e medicinais em países asiáticos, como China, Índia, Japão e Coréia. Cogumelos podem ser apreciados cru, cozido, cru ou como chá. Seus extratos são frequentemente usados ​​como suplementos alimentares sem receita.

Muitas pessoas descrevem seu sabor como “semelhante ao marisco”, comparando-o frequentemente ao caranguejo ou lagosta. Estes cogumelos contêm substâncias bioativas que têm efeitos benéficos no organismo, nomeadamente no cérebro, coração e intestino