Estados Alterados de Consciência

psicodélicos

Possibilidades Psicológicas

Apesar de muitas pessoas associarem a experiência psicodélica ao uso de substâncias psicoativas, a experiência psicodélica é uma forma única de experimentar e se relacionar com o mundo que independe do uso de substâncias psicoativas. Ela se interessa pela expansão da consciência e tem relação direta com alguns estados alterados de consciência obtidos por meio da meditação, da Kundalini yoga e do uso de substâncias psicoativas como LSD, maconha, DMT, ayahuasca e os chamados cogumelos mágicos, confira uma opção legal para cogumelos alucinógenos comprar online.

A mudança de consciência relatada durante essas experiências é comumente associada à dilatação temporal, ilusões e/ou alucinações sensoriais, prazeres corporais, ampliação da consciência, elevação e/ou contato espiritual, dissolução do ego e sentimentos de pertencimento. Como resultado, os usuários que tiveram uma experiência psicoterapêutica tendem a considerá-la como um dos eventos mais significativos de suas vidas, pois são capazes de recordar o que viram, sentiram e perceberam, em contraste com o mundo alterado dos sonhos, dos quais muitas vezes só nos lembramos de fragmentos.

Estados de Alteração da Consciência

Para entender melhor essa experiência, devemos retornar ao conceito de estados alterados de consciência. A literatura nos dirá que existe uma maneira normal ou típica para a consciência humana funcionar, e que isso envolve sentimentos e percepções autópsias (percepção de si mesmo), percepções autópsias (percepção do ambiente) e tempo mais ou menos conhecido e previsível períodos.

Esta função normal está associada à vigilância e à saúde mental, enquanto as alterações estão associadas ao sono e fadiga, sonhos e mundos internos, sintomas positivos (delírios e alucinações) como os encontrados em algumas doenças mentais, medicamentos (psiquiátricos ou não), prática de meditação, físico exercício físico e o uso de substâncias psicoativas, que podem ser classificadas em três categorias: estimulantes, depressoras e psicoativas.

Os Hippies da Cultura Psicodélica

A década de 1960 foi o cenário para os primeiros passos e aceleração de uma marcha hippie e psicodélica antes de ser, mais uma vez, freada ou dissipada. Em termos de estereótipos visuais, o mundo ainda era branco e preto em 1964, e os Beatles estavam vestidos de terninho. As primeiras cores, distorções e novas possibilidades aparecem em 1965. É importante lembrar que a grande cultura psicodélica internacional durou aproximadamente de 1965 a 1969, culminando no festival de Woodstock e demonstrando ao mundo que tal proposta era viável, plausível e havia sido testada por um grupo diversificado de pessoas que se divertiam, se amavam e aquiesceram quando aconteciam as adversidades do festival. Durante esses anos, os músicos começaram a usar instrumentos não convencionais e novas técnicas de mixagem na tentativa de exteriorizar a música que refletia o que eles e sua geração estavam experimentando, descobrindo e tentando comunicar. Além das letras, é hora de descrever os sentimentos, visões e experiências deliciosas da jornada lírica.

Enquanto jovens americanos eram chamados para servir de bucha de canhão no Vietnã, alguns voltaram e outros se rebelaram. Essa foi a força motriz da resistência à contracultura e resultou na proposta da flor, que derrotou o ganho. Durante o Summer of Love de 1967, com a atenção voltada para Janis Joplin, Jimi Hendrix, Country Joe & The Fish, Jefferson Airplane, The Doors, Cream, The Byrds e Beatles, uma onda psicodélica atingiu o Brasil, afetando Os Mutantes e estabelecendo se com o nosso maravilhoso tropicalismo e regionalismo, representados por artistas como Caetano Veloso, Gilberto Gil , Gal Costa, Tom Zé, Alceu Valença. E, enquanto tiveram o Monterey Pop Festival em 1967 e Woodstock em 1969, o Brasil teve o Festival de Música Popular Brasileira, que trouxe ao palco Gilberto Gil e Os Mutantes para interpretar a melhor música que não ganhou naquele festival, "Domingo no Parque". Além disso, a hip hop brasileiro finalmente se uniu para testemunhar o primeiro Festival das Claras, também conhecido como nosso Woodstock, que aconteceu durante o regime militar de Ernesto Geisel .Sobre este episódio, recomendo assistir ao documentário "O Barato de Iacanga" (2019), que está disponível na Netflix.

Psicodélico e seu Renascimento

Mas e a psicologia? Ah, agora as coisas estão ficando interessantes. Porque estamos vivenciando o que os cientistas chamam de rejuvenescimento psicológico, que envolve a exploração e teste de substâncias psicológicas em seres humanos por meio de protocolos de pesquisa científica. Após anos de proibição e proibição de pesquisa, várias universidades ao redor do mundo agora podem trabalhar com compostos como LSD, psilocibina, DMT e ayahuasca. Resultados positivos e perspectivas otimistas estão sendo observados nas áreas de saúde mental, psicoterapia e tratamento de transtornos psiquiátricos (como ansiedade, depressão, transtorno de estresse pós-traumático e vícios).

Em geral, esse uso envolve a supervisão de um médico e um terapeuta, que realizarão sessões preliminares de psicoeducação e instrução de substâncias. Como resultado, a substância é usada em um ambiente terapêutico seguro. Após o uso e a experiência, são realizadas sessões para descrever, comunicar e compartilhar a experiência. No entanto, esta não é apenas uma sessão ou algo que as pessoas possam entender como um uso recreativo (embora possa fornecer excelentes insights, perguntas e mudanças comportamentais). No entanto, adere a um protocolo de tratamento e requer monitoramento contínuo. Marcelo Leite apresentou uma maravilhosa compilação de dados internacionais e nacionais em seu livro de 2021 "Psiconautas: Jornadas com a Ciência Psicológica Brasileira".