Psilocibina: que efeito sobre a depressão

A psilocibina, um composto encontrado em cogumelos mágicos, pode afetar os sintomas da depressão. Estudos têm mostrado resultados encorajadores.

De que efeito estamos falando?

Psilocibina e depressão

Os tratamentos para a depressão são muitas vezes ineficazes

Segundo o Instituto Nacional de Saúde e Pesquisa Médica (Inser), os tratamentos para depressão são eficazes em 70% dos casos. No entanto, se a saúde de alguns melhorar no início, muitos terão uma recaída.

Um grande problema de saúde pública, a depressão afeta milhões de pessoas em todo o mundo. Algumas pessoas às vezes resistem ao tratamento com antidepressivos e psicoterapia.

Quer se trate de uma depressão moderada ou grave e quando persiste, a depressão pode ter um grande impacto na vida pessoal e profissional.

A psilocibina é uma cura eficaz para a depressão?

Nos últimos anos, mais e mais estudos tentaram substituir os antidepressivos comumente administrados pela psilocibina. A psilocibina é uma substância encontrada em cogumelos mágicos. Se os mecanismos ainda são mal compreendidos, acredita-se que a psilocibina aumente a eficácia da psicoterapia e contribua para o alívio dos sintomas ao longo do tempo.

Psilocibina e depressão: estudos encorajadores

o primeiro estudo

Os pesquisadores começaram a estudar a psilocibina já na década de 1950. O químico suíço Albert Hofmann começou a estudá-la a partir do Psilocybe mexicana, um famoso cogumelo alucinógeno usado em rituais no México. Algumas horas após a ingestão, a psilocibina causa alucinações visuais e auditivas e fortes alterações na consciência. Desde então, muitos estudos foram realizados que já demonstraram a capacidade desse composto alucinógeno, presente nos “cogumelos mágicos”, de reduzir a ansiedade e os sintomas depressivos.

Outros estudos

Em 2008, cientistas americanos provaram que a psilocibina tem efeitos duradouros no bem-estar mental e na serenidade. Eles pensaram que o alucinógeno poderia ajudar alguns pacientes a aliviar os medos sobre o câncer. Por exemplo, pesquisadores do NYU Langone Medical Center (Nova York) demonstraram em 2016 que uma única dose de psilocibina, combinada com psicoterapia, aliviaria significativamente a ansiedade e a depressão em pacientes com câncer. Assim, os efeitos ansiolíticos e antidepressivos dessa dose única persistem por mais de 5 anos. A psilocibina pode, portanto, ser eficaz no tratamento de muitos pacientes, incluindo aqueles que sofrem de depressão maior, pois seria muito mais eficaz do que os tratamentos atualmente disponíveis. O especialista acrescenta que não haveria, ao contrário da maioria dos tratamentos atuais para depressão, que têm efeitos colaterais indesejados. O mesmo vale para a demora antes dos primeiros resultados serem obtidos.

Posteriormente, pesquisadores britânicos testaram a psilocibina em 12 pessoas que sofriam de depressão moderada a grave por uma média de mais de 15 anos. Após apenas dois dias de tratamento, as 12 pessoas foram observadas por três meses. Os efeitos psicodélicos da psilocibina tornaram-se aparentes entre 30 e 60 minutos após a ingestão das cápsulas. Uma semana depois todos apresentaram melhora e 8 não apresentaram mais sintomas, 3 meses depois outros 5.

Em 2021, um estudo publicado no New England Journal of Medicine poderia finalmente fornecer um novo tratamento para pessoas com transtornos depressivos graves. Os resultados mostram que duas doses podem ser tão eficazes quanto o antidepressivo mais comumente prescrito, mas desde que os pacientes façam psicoterapia ao mesmo tempo.

O estudo durou seis semanas e incluiu dois grupos de pessoas com transtorno depressivo. O primeiro grupo de 30 pessoas recebeu doses bastante fortes de psilocibina duas vezes com três semanas de intervalo, e os participantes tomaram placebos entre as doses. No segundo grupo, as 29 pessoas também tomaram duas doses de psilocibina com três semanas de intervalo, mas com peso muito baixo e tomaram antidepressivos no restante do tempo.

No dia seguinte à ingestão da psilocibina, foi organizada uma sessão de terapia psicológica para todos. A gravidade dos sintomas depressivos diminuiu em ambos os grupos. Mas a diferença entre os grupos está principalmente no nível dos sintomas. 57% dos participantes que receberam uma dose alta de psilocibina viram seus sintomas desaparecerem completamente após seis semanas, em comparação com apenas 28% no outro grupo.

Psilocibina e depressão: cuidado para não tirar conclusões precipitadas

Embora esses estudos sejam recebidos com suspeita e preocupação por alguns cientistas, o estudo dos psicodélicos pode abrir caminho para tratamentos inovadores para melhorar o humor e a mente.

Mais ensaios clínicos e trabalhos serão necessários antes que a psilocibina possa ser comercializada e usada como medicamento para depressão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *